A Psicologia do Trauma: Como uma Abordagem Terapêutica Está Ajudando Crianças Ucranianas Afetadas pela Guerra

O trauma na infância é um problema de saúde global. Anualmente, quase um bilhão de crianças ao redor do mundo passam por algum tipo de abuso emocional, físico ou sexual. E mais de dois terços dessas crianças reportam pelo menos um evento traumático até os 16 anos de idade.

Sem intervenções precoces, essas experiências podem infiltrar-se profundamente nas mentes dessas crianças. Elas podem repetir o trauma original, envolvendo-se em relacionamentos tóxicos que replicam a dinâmica do abuso parental ou participando de comportamentos de alto risco, incluindo relações sexuais sem segurança, delinquência ou abuso de substâncias.

O trauma da infância pode levar à culpa, vergonha, ansiedade, depressão e até mesmo ao suicídio. Seus efeitos frequentemente persistem muito além da infância, afetando a saúde física e mental na vida adulta.

Zlatina Lyubomirova Kostova, uma psicóloga clínica e diretora de treinamento na organização sem fins lucrativos Lifeline for Kids, um centro para o trauma da infância na UMass Chan Medical School, tem trabalhado em um projeto que trata crianças ucranianas e suas famílias afetadas pela guerra desde março de 2022.

O projeto, que é conduzido por pesquisadores alemães em colaboração com diversas organizações, chama-se "Terapia Cognitivo-Comportamental Focada em Trauma - Ucrânia". Nele, Zlatina fornece treinamento online e consultorias para terapeutas ucranianos que estão tratando crianças diretamente afetadas.

Essa experiência reforçou em Zlatina a grande importância de intervir diretamente durante um trauma em andamento e suficientemente cedo na vida de uma pessoa para ajudar a curar as feridas de adversidades complexas. Vamos explorar mais sobre essa abordagem terapêutica e como ela tem feito a diferença na vida de crianças ucranianas.


O Projeto na Ucrânia


Nos primeiros e sombrios meses de guerra na Ucrânia, o trabalho de Zlatina Kostova e sua equipe de terapeutas internacionais foi crucial. Eles foram incumbidos de educar outros terapeutas sobre a Terapia Cognitivo-Comportamental Focada em Trauma, para que pudessem aconselhar as crianças afetadas pelo conflito e suas famílias.

As crianças, ainda expostas a uma ameaça contínua em solo ucraniano, precisavam de ferramentas para diferenciar um perigo real de meros lembretes do trauma vivenciado. Para isso, os terapeutas ensinavam a elas técnicas de relaxamento para gerenciar o estresse causado por ouvir sirenes ou serem evacuadas para um novo local.

A equipe de Kostova também lidou com o trauma secundário - neste caso, o estresse traumático vivenciado pelos próprios profissionais de saúde mental que estavam atuando nesse cenário adverso.

Os resultados iniciais do projeto foram encorajadores. Mais de 130 clínicos foram treinados na terapia focada no trauma e, por sua vez, coletaram dados de mais de 140 crianças e cuidadores. Os terapeutas classificaram sua satisfação geral com o treinamento como alta, ressaltando o valor dessa iniciativa na luta pela saúde mental das crianças ucranianas em meio ao cenário de guerra.


Uma Arquitetura Cerebral Diferente


Embora eventos como guerras, pandemias e violência escolar sejam algumas das causas mais óbvias de trauma, aproximadamente três quartos dos casos relatados de abuso infantil - como abuso sexual - são cometidos por membros da família ou outras pessoas que fazem parte do "círculo de confiança" da vítima.

Crianças que vivenciam traumas complexos - seja o abuso parental ou o fogo cruzado de uma guerra - desenvolvem uma biologia muito diferente de seus pares não traumatizados. Estudos mostram que o trauma deixa marcas não apenas no cérebro, mas também em outras partes do corpo.

O estresse crônico leva à ativação constante do sistema de resposta ao estresse, o que ativa conexões neurais envolvidas no medo, ansiedade e reações impulsivas.

Mesmo na ausência de uma ameaça real, a resposta de luta-fuga-congelamento - localizada na amígdala, ou a parte primitiva, instintiva e orientada para a sobrevivência do cérebro - permanece constantemente ativada. Algo tão simples quanto uma mudança na expressão facial de alguém pode ativar os circuitos do medo.

A resposta ao estresse crônico leva à liberação dos hormônios cortisol e adrenalina, que então têm efeitos a jusante em outros sistemas. Isso pode levar à supressão do sistema imunológico e pequenas mudanças na forma como a genética subjacente de uma pessoa responde ao seu ambiente. Além disso, outras regiões cerebrais que são menos importantes para a sobrevivência - como resolução de problemas, aprendizado e memorização - são menos desenvolvidas em crianças que sofreram traumas.

No entanto, pode haver outra reação ao estresse, mais positiva, que envolve pedir ajuda e apoio a pessoas seguras. É por isso que a presença de adultos apoiadores, juntamente com a aquisição de novas habilidades de enfrentamento, pode atenuar o impacto do trauma. 

As crianças são resilientes. Com tratamento adequado e apoio de cuidadores e profissionais, elas podem se curar e prosperar. Esta é a abordagem que a Terapia Cognitivo-Comportamental Focada em Trauma visa oferecer, transformando o cenário de trauma em uma história de recuperação e crescimento.


Narrativa como meio de cura


A terapia cognitivo-comportamental é eficaz para muitas condições de saúde mental. É uma forma de terapia de conversa baseada no entendimento de que os problemas psicológicos vêm de formas prejudiciais ou imprecisas de pensar; esses pensamentos, então, afetam nossas emoções e comportamentos.

A terapia cognitivo-comportamental focada no trauma se diferencia em vários aspectos. Primeiramente, ajuda a criança a reconhecer como traumas passados afetam sua autoimagem e comportamento. Por exemplo, uma adolescente que foi abusada sexualmente pode ser desencadeada por um amigo do sexo masculino que se aproxima fisicamente dela.

A terapia também usa uma técnica bem estabelecida chamada narração de trauma. Aqui, a criança narra as experiências traumáticas que sofreu. Pode ser falada, escrita ou expressa em um desenho, poema ou canção.

Com a ajuda do terapeuta, a criança identifica os pensamentos distorcidos que afetam negativamente sua visão de si mesma, dos outros e do futuro: "Foi minha culpa ter sido abusado sexualmente; eu não posso confiar em ninguém; eu estarei quebrado para sempre."

O terapeuta então ajuda a criança a mudar sua perspectiva e incorporar o trauma em sua história de vida de uma maneira que não é mais esmagadora, prejudicial e vergonhosa.

Quando isso acontece, sintomas relacionados ao trauma, como hipervigilância, pensamentos repetitivos e evitação, diminuem significativamente. Em vez de se verem como quebrados, danificados e indesejáveis, essas crianças reconhecem sua resiliência e força.

Um exemplo: um menino de 8 anos que viu sua mãe morrer de câncer estava tendo pesadelos severos. O pensamento de doença ou morte o aterrorizava. Ele se recusava a sair de casa, estava emocionalmente retraído e não queria ver amigos.

No entanto, após receber terapia cognitivo-comportamental focada em trauma, ele conseguiu expressar suas emoções sobre a morte de sua mãe. Ele não tinha mais medo à noite e seus pesadelos diminuíram. Ele formou novas amizades.

A terapia normalmente requer de oito a 25 sessões, dependendo do número de experiências traumáticas e da complexidade dos sintomas.


O Papel Crucial dos Cuidadores


O fator número um para a cura do trauma é a presença de um cuidador seguro, carinhoso e previsível - um pai, avô, assistente social, pastor ou treinador.

Um dos momentos mais poderosos no tratamento é quando a criança - com o apoio do terapeuta - compartilha a narrativa com o cuidador ou outro adulto significativo na vida da criança. Essas sessões oferecem uma oportunidade para o cuidador elogiar a criança e reconhecer a força necessária para criar e compartilhar sua narrativa.

Estudos clínicos mostraram que a terapia cognitivo-comportamental focada no trauma funciona para crianças e jovens adultos de 3 a 21 anos em todos os contextos geográficos, étnicos, de gênero, religiosos e socioeconômicos. Funciona para um adolescente ucraniano vítima de guerra - ou para uma criança abusada que vive em um subúrbio dos EUA.

Estudos sobre essa forma de psicoterapia consistentemente mostram que os pacientes têm menos ansiedade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático do que os pacientes que passaram por outras formas de tratamento. As crianças se tornam mais resilientes e os benefícios da terapia duram mais tempo.

A terapia cognitivo-comportamental focada em trauma ajuda as crianças a mudarem sua história de uma destruída para uma heroica.

Como uma jovem de 16 anos contou para Zlatina Kostova: "Esta terapia mudou completamente minha vida para melhor. Agora eu acordo todos os dias sem ter esse peso de vergonha e depressão sobre mim. Finalmente posso viver minha vida sem sentir que vou desmoronar a qualquer segundo."

Fonte:  The Conversation

Autor Equipe Academia do Psicólogo

Equipe Academia do Psicólogo

@academiapsi

Um novo tempo para a Psicologia no Brasil!

Oops... Faça login para continuar lendo



Interações
Comentários 0 2